Usuarios en línea:

  Foro Ganadería
  «Pasturas - Forrajes»
  Cultivo del pasto Maralfalfa e información básica acerca de éste.

Enviar mensaje nuevo  Contestar
perfil | registro | preferencias | preguntas | buscar

Amigos UBB: Recomiende esta página a un amigo! siguiente tema nuevo | tema anterior
Autor Tema:   Cultivo del pasto Maralfalfa e información básica acerca de éste.
José Enrique
unregistered
enviado 05-07-2004 21:20           Editar/Eliminar Mensaje
Estoy interesado en conocer más acerca del pasto de origen colombiano Maralfalfa.
Además, cuento con algunos estolones (de aproximadamente 1 metro, más o menos ocho nudos por estolón) de este pasto, pero no tengo bien claro cual es la mejor forma de sembrarlo, me imagino que debe haber ciertas diferencias con la caña de azucar para su mejor aprovechamiento y el del terreno.
Agradecido de antemano, un saludo.

José Enrique. Venezuela

IP: Archivada

Elkin Montoya
Miembro

Mensajes: 9
De:Medellín, Antioquia, Colombia
Registrado: Ene 2003

enviado 04-08-2004 15:31     Presione aquí para ver el perfil de Elkin Montoya     Editar/Eliminar Mensaje

El pasto maralfalfa es un pasto mejorado cuyo origen no está bien esclarecido. Su utilización y difusión en los últimos años se ha dado gracias a un fenómeno muy común, donde la adopción de especies nuevas de pastos se hace para imitar al vecino o porque el pasto es nuevo y está de moda, sin criterios técnicos y sin fundamentar su utilización en las ventajas, soluciones y posibilidades para la producción animal.

En la Universidad Nacional de Colombia, y la Universidad de Antioquia, se han iniciado algunos estudios de este pasto conocido bajo el nombre científico de Penissteum violaceum, un híbrido de la misma familia del pasto elefante Penissetum purpureum. Según algunos vendedores de semillas, este pasto es de origen Colombiano al ser obtenido por el padre José Bernal Restrepo (S.J) como el resultado final de los cruces que realizó entre diferentes variedades de pastos: en 1965 al cruzar el pasto elefante napier,Pennisetum purpureum (originario de África) y la grama, Paspalum macrophylum obtuvo una variedad que denomino gramafante; en 1969, cruzo los pastos gramafante (elefante y grama) y guaratara del llano, Axonopus purpussí y obtuvo la variedad que denomino maravilla O gramatara. Finalmente, al cruzar el pasto maravilla o gramatara y la alfalfa Colombia (alfalfa peruana: Medicago sativa Linn x pasto brasilero, Phalaris azudinacea Linn) obtuvo un pasto al que denominó Maralfalfa.

Quienes lo comercializan aseguran que se adapta desde el nivel del mar hasta los 3000 metros, en suelos con fertilidad media a alta, con buen contenido de materia orgánica y buen drenaje. Sin embargo, su desarrollo es menor al aumentar la altura sobre el nivel del mar, más allá de los 2000m, lo mismo que los rendimientos, aunque llegan a ser un poco mayores que los obtenidos con otros pastos de corte en los mismos lugares.

Para la siembra se emplea semilla vegetativa. Como recomendaciones generales, lo mismo que para otras especies, el suelo destinado para la siembra debe estar lo mas suelto posible (arar y rastrillar). Se recomienda sembrar a cincuenta centímetros (50 cms) entre surcos, y preferiblemente dos (2) cañas paralelas a máximo tres centímetros (3 cms) de profundidad. Debe suministrarse riego minimo dos (2) veces por semana durante el primer mes; luego mínimo cada diez (10) dias.


Aunque se afirma que posee un alto contenido de proteína (aproximadamente el 17%), el contenido puede ser inferior dependiendo de muchos factores, especialmente la fertilización y el riego. Personalmente llegué a encontrar contenidos de proteína inferiores al 6% en un cultivo de maralfalfa que no fue fertilizada luego del corte; por lo que se deben considerar los niveles de fertilización a los que debe someterse el cultivo a fin de incrementar los rendimientos de biomasa, factor que la mayoría de veces no se tiene en cuenta al momento de comparar éste con otros pastos, que quedan en desventaja debido al manejo deficiente que se les dá y a la pobre o deficiente fertilización que se les realiza.

IP: Archivada

cabraljr
Moderador

Mensajes: 313
De:Governador Valadares-MG-Brasil
Registrado: May 2004

enviado 21-08-2004 20:44     Presione aquí para ver el perfil de cabraljr     Editar/Eliminar Mensaje
Caro José Enrique,

Vamos desvendar alguns mitos e veremos que a realidade é talvez até um pouco melhor!
Com relação ao "histórico" apresentado pelo zeloso moderador sr. Elkin Montoya, este não resiste a uma leitura mais atenta: cruzar pennisetum com paspalum, sinceramente... e olha que são duas GRAMÍNEAS C-4, e mesmo assim não se consegue tal hibridação! Aí seguem as maravilhas da bio-engenharia e cruza-se o suposto híbrido com outra gramínea nativa, a guaratara ( pouco produtiva e de teor protéico baixo); mas não para por aí, então vem o feito supremo da engenharia genética ( que se não valeu em 1969(?) deveria valer neste ano de 2005 o Nobel de biologia ao tal padre ): cruzar este "FRANKENSTAIN GRAMINEO" com uma leguminosa ( grupo C-2 )!!!!!!
Ou este padre era o maior santo da Colombia, ou o maior geneticista/biólogo das américas ou o maior MENTIROSO do mundo!!!!!!!
Quando estive o ano passado na Embrapa gado de Leite, que tem o maior acervo de germoplasma de capim-elefante das américa latina, os PHDs da Embrapa riam à gargalhadas sobre as historias deste capim! Na verdade é um penissetum purpureum do genótipo classificado como do grupo dos napiers ( avaliação genética); aqui no Brasil é conhecido por gramafante ou king grass, dependendo da região. É superior em produção de matéria seca a capins elefante bem difundidos como o cameroon e o roxo ( mott), merker, etc. Tem teor de protéina superior ao cameroon e merker mas inferior ao roxo ( da ordem de 10,5 a 12 % na materia seca aos 60 dias ). Indices de 17% são atingidos nas folhas de plantas aos 30/35 dias, porém a materia seca está tão baixa que se recomenda seu PASTEJO com 40/45 dias com proteina em torno de 15% mas maior produção de materia seca. Apresenta alto índice de perfilhamento, caracteristica desejável, e suporta bem o pisoteio, alem de ter uma palatabilidade boa.
Em um solo leve, corrigido, com adubação na ordem de 700kg de N/ha/ano parcelada pós cortes e irrigação ou regime hídrico bem distribuido, pode chegar sim a produzir 70 toneladas de materia seca ha/ano ( sobre regime de corte a 40cm do chão).
Como se pode ver, a realidade sobre este capim não tem nada de miraculosa, e é talvez melhor do que as lendas ( ou fantasias ) em torno dele.
Quem quiser um capim elefante com um teor mais elevado de proteina pode optar por um híbrido ( VERDADEIRO ) de pennisetum purpureum X pennisetum glaucum (milheto), produzido aqui no Brasil pela empresa Matsuda, chamado Paraíso, que é reproduzido por SEMENTES, sua grande vantagem, tem teor de proteina aos 60 dias em torno 13,5% e produz sob uma adubação de 200 kg de N/ha/ano algo em torno de 37 toneladas de materia seca ( pode ser mais ou menos que isso dependendo dos fatores edafoclimáticos/solo). Porém, sua palatabilidade não é tão boa como a maioria dos capins elefantes, floresce intensamente com fotoperiodos menores ( o que é uma grande desvantagem ) e não aceita cortes a intervalos de 60 dias abaixo de 50 cm do solo, sob pena de perda de perssistência em 12 a 18 meses!
Espero ter sido de alguma ajuda. Cordialmente,
Helio Cabral Jr

IP: Archivada

Elkin Montoya
Miembro

Mensajes: 9
De:Medellín, Antioquia, Colombia
Registrado: Ene 2003

enviado 22-08-2004 10:14     Presione aquí para ver el perfil de Elkin Montoya     Editar/Eliminar Mensaje
Estimado Helio Cabral Jr.

Muchas gracias por su participación y las aportaciones realizadas. Espacios como este son de ayuda no solo por el encuentro de respuestas a dudas e interrogantes sino también por la información que es posible intercambiar y el conocimiento que esto genera. Al hablar sobre el origen histórico de este pasto, y tal como usted dice, lo que deseaba mostrar es cómo algunas veces se juega con el desconocimiento existente del productor o del medio, para vender productos haciéndolos parecer la respuesta milagrosa a las necesidades existentes de producción o nutrición, asegurando resultados que en la mayoría de las veces no se corresponden con los esperados o con los que realmente se pueden obtener, al no considerar elementos de importancia. Por ejemplo, la difusión de este pasto haciendo eco de la cantidad de biomasa que puede producir, sin decir acerca de la cantidad (o la utilización)de fertilizantes necesarios, cuando la gran mayoría de productores que están utilizando este pasto no acostumbran realizar siquiera una fertilización al año.
En su respuesta, usted dice que este pasto (maralfalfa)es conocido como king-grass o gramafante en Brasil; sin embargo el pasto que conocemos como king-grass en Colombia difiere del pasto en cuestión. Sería posible obtener un poco más de información técnica (investigaciones realizadas) por intermedio suyo de este pasto y de los que propone como alternativas? Sería de una gran utilidad.
Nuevamente, muchas gracias.
Cordialmente,
Elkin Montoya

IP: Archivada

cabraljr
Moderador

Mensajes: 313
De:Governador Valadares-MG-Brasil
Registrado: May 2004

enviado 22-08-2004 11:53     Presione aquí para ver el perfil de cabraljr     Editar/Eliminar Mensaje
Caro sr. Montoya,
fico lisonjeado com sua colocação, mas como os demais participantes deste forum, estou aqui para aprender com as experiências dos demais companheiros.
A seguir reprodução na integra de uma parte de um documento de pesquisa técnica da Embrapa semi-árido:
"O capim Gramafante foi introduzido na região em 1987, precedido de
grande divulgação, muitas vezes superestimando-se as características e os
benefícios que a referida gramínea poderia possuir e proporcionar aos animais.
Levou-se a público ser o capim gramafante um híbrido resultante do cruzamento
das espécies Pennisetum purpureum com Paspalum sp., obtido em 1965 pelo
padre Jesuíta José Bernal Restrepo, na localidade de La Esperança
Cundinamarca, na Colômbia (Sacchet et al., 1987).
Visando a elucidação dessas informações existentes também no sul do Brasil e,
ainda, a obtenção de dados taxonômicos, consultores e pesquisadores da
Secretaria da Agricultura do Rio Grande do Sul realizaram o estudo citológico
do capim gramafante, juntamente com algumas cultivares de capim elefante,
nas quais verificaram o número cromossômico e o comportamento meiótico. Foi
realizada a análise de 381 células-mães de pólen, incluindo-se, além do
gramafante, as cultivares Anacreonte, Gold Green, Markeron Pinda, Merker 89,
México, Pelotas, Taiwan A 246 e Taiwan A 146. O número cromossômico
encontrado foi 2n=28, sendo o comportamento meiótico predominante
regular, com exceção da Gold Green e Pelotas. Assim, comprovou-se que o
capim Gramafante é uma cultivar de Capim Elefante (Sacchet et al., 1987).
Outros trabalhos realizados recentemente comprovam este resultado. Passos &
Vidigal (1994), num trabalho de separação de 60 acessos de Capim Elefante
com base em padrões de proteína obtidos em SDS-PAGE, verificaram ser o
Gramafante pertencente ao mesmo grupo dos acessos Cachoeiro do Itapemirim,
Kizozi, Min X239-DA-2, Mole VGX23-A, Mott e Roxo. Passos et al. (1994),
num outro estudo para separação de acessos de capim elefante com base no
teor de DNA genômico, medido por citometria de fluxo, verificaram que os 21
acessos estudados formavam 14 citotipos distintos distribuídos em ordem
crescente do teor de DNA e que o acesso Gramafante formou o 11 o citotipo.
Tendo em vista a grande demanda de informações sobre o Capim
Gramafante, foi realizado, na Embrapa Semi-Árido, um trabalho de pesquisa
visando comparar agronomicamente esta cultivar com outras já conhecidas na
região: a Elefante Roxo e a Cameroon."

Nas conclusões do citado documento:
"Com base nos resultados obtidos por meio dos parâmetros avaliados,
pode-se concluir que o Capim Elefante cv. Gramafante é uma forrageira com
grande potencial produtivo e qualitativo. Seu elevado índice de perfilhamento
eleva também o valor protéico da forragem devido ao maior conteúdo de folhas
que contém os maiores .índices protéicos. Sua grande capacidade de
entouceiramento, além de ser fator de resistência ao pisoteio de animais
pesados, ainda favorece o pastejo, pois permite um padrão de utilização pelos
animais mais uniforme do que as cultivares com altos índices de caule, que
endurecem mais rápidos quando não são pastejados uniformemente. Entretanto,
vale salientar que, devido às inúmeras variáveis a que as plantas são
normalmente submetidas pelos fatores naturais, como clima, solo, pragas e
doenças, a adoção desta cultivar não deve ser excludente de outras que
possuam grandes potenciais forrageiros. É sempre recomendável se diversificar
a produção forrageira com duas ou mais cultivares ou espécies, ao mesmo
tempo, para que se possa alcançar uma maior estabilidade na produção de
forragem e, consequentemente, no desempenho geral do rebanho, que é o
objetivo final da exploração pecuária"

Devemos sempre ter em mente que não existe "o melhor capim", mas sim o capim mais indicado para uma região (solo/clima/umidade), nível tecnológico de exploração ( nível de produção, adubação, irrigação, técnicas de manejo ) e categoria animal a que se destina.
Por exemplo: na minha região um capim elefante melhorado pela Embrapa, a cultivar Pioneiro, se mostrou mais produtiva, nutritiva e resistente ao pastejo do que a cultivar Gramafante em mesmas condições de exploração. Em minha propriedade, por exemplo, tenho 2 cultivares implantadas: o híbrido interespecífico Paraíso e a cultivar Mineirão; este é muito mais produtivo, nutritivo e palatável que o Paraíso, nas minhas condições de exploração!
Se puder ser útil em mais alguma coisa, estou à disposição.
Cordialmente,
Helio Cabral Jr

IP: Archivada

cabraljr
Moderador

Mensajes: 313
De:Governador Valadares-MG-Brasil
Registrado: May 2004

enviado 23-08-2004 11:07     Presione aquí para ver el perfil de cabraljr     Editar/Eliminar Mensaje
Uma coisa que muito me surpreende, é que tenho visto em vários anúncios na internet de venda de "semillas" ( estacas ou colmos inteiros) de pasto maralfalfa ( gramafante/king grass)! Isso porque aqui no Brasil não se compra mudas de nenhuma cultivar de capim elefante ( a não ser as sementes (verdadeiras sementes) da cultivar Paraíso, que é um híbrido como já mencionei), porque basta solicitar a qualquer produtor rural algumas mudas ( colmos de plantas com mais de 150 dias de crescimento de preferência) e a partir destas se faz um viveiro à campo; cada 10 metros quadrados de capineira cortados com mais de 150 dias de crescimento, dá para plantar 100 metros quadrados de canteiros ( 2 colmos inteiros, sem as folhas, cruzando ponta e cabeça, como a cana de açucar ). O esparçamento ideal para regime de corte é de 0,8 a 1 metro entre linhas e para pastejo direto é de 0,45 a 0,5 metro entre linha.
Espero ter sido de alguma ajuda. Cordialmente,
Helio Cabral Jr

IP: Archivada

cabraljr
Moderador

Mensajes: 313
De:Governador Valadares-MG-Brasil
Registrado: May 2004

enviado 26-08-2004 08:22     Presione aquí para ver el perfil de cabraljr     Editar/Eliminar Mensaje
Caros amigos latino americanos,
Pelo visto tem havido um pouco de confusão quanto a nomes vulgares de pasto e suas espécies, familias e ordens e principalmente, cultivares ou ecótipos...
Pois bem, PENNISETUM PURPUREUM schum. é o nome cientíco de todos os pastos elefantes: maralfalfa/king grass/gramafante, cameroon, napier, mercker, taiwan 146, 148, vruckrona, elefante do panamá, mineirão, roxo, elefante anão/mott, etc, etc, etc...
Uma de suas caracteristicas básicas, é como são plantas biplóides (2n=28), todos se reproduzem vegetativamente através de estacas ou colmos/talos inteiros, como a cana de açucar, já que suas sementes florais apresentam baixissima viabilidade. Na verdade há uma exceção, que é uma cultivar híbrida entre pennisetum purpureum X pennisetum glaucum ( milheto ), que foi lançada pela empresa brasileira Matsuda ( cv. Paraíso ), e que se reproduz por sementes verdadeiras ( florais, muito pequenas e com uma "pluma" ) exatamente igual à sementes de todas as cultivares de pasto elefante, só que viáveis e férteis. A propósito, esta hibridação vem sendo pesquisada por várias instituições agronômicas sérias no mundo todo, porque é uma maneira de baratear a implantação de um pasto elefante ( sementes florais viáveis ) e aumentar seu valor protéico. - a cv. Paraíso da Matsuda por exemplo, não é tão palatável para o gado como outras cvs. de pasto elefante; isso porque tenho a mesma implantada em minha propriedade juntamente com a cv. mineirão ( muito produtiva e palatável ).
Os pastos elefantes são divididos em dois grandes grupos, que levam os nomes de cvs. mais conhecidas destes grupos, pelo menos aqui no Brasil: o grupo dos napiers, que se caracterizam por colmos/talos mais finos, folhas mais finas e proporção de folhas maior que a de colmos. E o grupo dos cameroons, com cvs. de talos mais grossos, folhas largas e proporção folha/colmo igual a mais ou menos 1. Claro que há as subdivisões em questão ao florescimento precosse, tardio ou praticamente inexistente ( preferível ), apresentar ou não pilosidade nas folhas e colmos, porte, cor de bainha e lígula, etc.
Esta variedade enorme de cvs. faz com que até mesmo técnicos experientes tenham dificuldade ( quando não é impossível ) de fazer distinção entre cvs. de um mesmo grupo ( e ainda pode haver polinização cruzada entre cvs. apresentando plantas com caracteristicas de ambos progenitores ), além das variações fenotípicas dentro de uma mesma cultivar. E as cvs. tem comportamentos produtivos diferentes em solos, climas e manejos diferentes. Às vezes, uma cultivar é muito produtiva em uma região ou altitude e perde muito para outra em outra região ou altitude. Aqui no Brasil, por exemplo, a cv. cameroon apesar de ser de introdução relativamente recente ( meados do fim dos anos 60 principio dos 70, mas com real difusão entre produtores rurais em meados dos anos 80 ), caiu no gosto dos produtores ( daí seu nome ser até utilizado para representar um grupo de cvs. e até mesmo como sinônimo de pasto elefante ), porém se enquadra entre cvs. menos produtivas e nutritivas em praticamente todas as regiões do Brasil.
Há alguns anos, visando intensificar a produção de leite à pasto, com altas produções por hectare, se implantou sistemas de pastejo direto em pasto elefante, que proporciona altíssimas produções de materia seca com um valor protéico satisfatório para produções da ordem de 10 a 13 kg de leite por animal ( F1 zebú leiteiro X holandes, pardo suiço, gersey ) só com mineral e sem suplementação protéico/energética, e com lotações de até 10 animais por hectare.
O problema, é que a implantação de tal sistema é cara, já que deve ser feito por sementes vegetativas ( estacas/mudas ), os pastos elefantes são extremamentes exigentes em solo, logo demandam correções e altas adubações, a quase totalidade das cvs. é sensível ao salivaso, seu manejo não é tão simples, já que sob pastejo deve haver um resíduo pós pastejo da ordem de 40 a 50% da forragem, o que quer dizer uma altura entre 35 a 60 cm do solo, dependendo da cv. Outro grande problema é sua estacionalidade produtiva, já que concentra entre 80 a 85% de sua produção no período úmido ( primavera/verão ) e o restante no outono/inverno ( isso pode ser minimizado quando se está mais próximo à linha do equador, devido ao fotoperíodo, porém a altitude não pode ser muito elevada, já que os pastos elefante paralisam seu crescimento quando a temperatura cai abaixo de 15 graus centigrados ). Para pastejo o intervalo de descanso varia de 35 a 45 dias.
Como alternativa, este sistema pode utilizar um pannicum maximum da cv. tanzânia 1, ou até mesmo o mombaça ( mas este apesar de um pouco mais produtivo não é tão indicado para gado de leite ). Sua implantação é mais barata, sua produção não é tão alta, mas para compensar, seu teor de proteína é um pouco mais alto ( aos 30 a 35 dias de descanso, que é o que esta cv. exige dada sua fisiologia ), digestibilidade na ordem de 60 a 63%, palatabilidade extremamente alta. Por outro lado é tão exigente quanto o pasto elefante em fertilidade de solo e adubação, também apresenta uma estacionalidade de produção ( menor que a do pasto elefante é verdade ), só que é um dos pastos mais resistentes ao salivaso e seu manejo é um pouco mais fácil.
A EMBRAPA GADO DE LEITE desenvolveu uma cv. de pasto elefante especificamente para pastejo direto, chamada Pioneiro, que tem apresentado um resultado muito bom. - inclusive é utilizada na faculdade de agronomia de minha cidade para vacas leiteiras e realmente tanto os resultados quanto o pasto impressionam! -
Mas lembrem-se, não existe o pasto "ideal", o que há é o pasto mais indicado para uma condição de clima/solo/umidade, nível tecnológico de manejo e exploração e categoria animal a que se destina.
Cordialmente,
Helio Cabral Jr

IP: Archivada

jorge armando rodriguez
unregistered
enviado 15-12-2004 10:42           Editar/Eliminar Mensaje
Necesito informaciòn sobre, requerimientos nutricionales, hidricos, tiempos de cosecha y producciòn anual.

Graciaspor su atenciòn.

IP: Archivada

La Mauela
unregistered
enviado 17-11-2005 09:28           Editar/Eliminar Mensaje
En la region de San Pedro de los Milagros, Antioquia, hay un Proyecto Lechero que esta basando su proceso de producciçon en la Maralfalfa. Esta finca esta utilizando un modelo de Estabulacion total para su ganado. El web site de este proyecto es www.proyectolecherolamanuela.com

IP: Archivada

pocho
Miembro

Mensajes: 4
De:Bogota, Colombia
Registrado: Ene 2007

enviado 16-01-2007 22:26     Presione aquí para ver el perfil de pocho     Editar/Eliminar Mensaje
Hola a todos.

estoy vendiendo pasto maralfalfa ensilado, bolsa de + 40 KG a 12.000 pesos, puesto en el cultivo en Viani Cundinamarca. Ofrecemos el transporte tambien.

Entrega a partir de la primera semana de febrero.

informacion a alfonsotellez@yahoo.com

IP: Archivada

betoelcrazy
Miembro

Mensajes: 1
De:bolivia
Registrado: May 2007

enviado 17-05-2007 11:37     Presione aquí para ver el perfil de betoelcrazy     Editar/Eliminar Mensaje
alguien que pueda decir cual es la mejor forma de cosechar este forraje

IP: Archivada

cabraljr
Moderador

Mensajes: 313
De:Governador Valadares-MG-Brasil
Registrado: May 2004

enviado 11-06-2007 17:55     Presione aquí para ver el perfil de cabraljr     Editar/Eliminar Mensaje
Que os amigos pecuaristas prestem atenção aos números...

35 animais adultos, podemos contar como cada animal tendo 450 kg de peso vivo ( vacas holstein e touros pesam bem mais que isso... ).

Então na verdade são 35 UA (01 UA/unidade animal = 450 kg de peso vivo ) por ha???

Façamos algumas contas matemáticas:

01 UA é capaz de ingerir por dia 2,5% de seu peso vivo em MS ( materia seca ) de forragem de alta qualidade.

35UA x 450kg = 15.750 kg de PV

2,5% de 15.750 kg = 393,75 kg

Portanto os 35 animais adultos ingerem por dia, 393,75 kg de MS de forragem. Isto multiplicado por 01 ano ( 365 dias ) = 143.718,75 kg de MS

A pergunta que faço é: qual forrageira tropical, por mais que seja adubada e irrigada consegue produzir tal quantidade de MS/ha/ano????????????????????????

No próprio texto o autor afirma que a produção é de 140 toneladas a cada 75 dias... mesmo que considerassemos que este pasto apresenta 20% de MS, ainda assim seriam 28 toneladas a cada 75 dias, o que com muitíssimo boa vontade daria 3 cortes no período quente e umido ( 225 dias ), porém no período frio e seco, mesmo com irrigação, este pasto não produzirá mais do que 30% da sua produção do periodo quente e umido, ou seja, 84 toneladas de MS e 25,2 toneladas, o que ainda fica longe das quase 144 toneladas necessarias para alimentar os 35 animais o ano todo.

Que o autor nos informe quantas toneladas de N por ha e quantos mm de irrigação são utilizados para "se produzir" esta fantástica quantidade de MS.

Que os pecuristas, principalmente os da Colombia, entrem em contato com o CIAT, um respeitadíssimo centro de pesquisa em agricultura tropical e perguntem se é viável tal nível de produção de MS de forragem!!!

Cordialmente,

Helio Cabral Jr

IP: Archivada

mendel02
Miembro

Mensajes: 1
De:comitan,chiapas,mexico
Registrado: Oct 2007

enviado 02-10-2007 13:19     Presione aquí para ver el perfil de mendel02     Editar/Eliminar Mensaje
Para Dr. Helio cabral Jr. Estuve revisando su aportacion al foro y me gustaria si es posible continuar con un comunicacion directa para platearle algunos aspectos,si es posible me puede enviar por inertno su E-mail al mio (gruiz16@hotmail.com)mucho agradecere su respuesta.atte. mvz. gregorio ruiz

IP: Archivada

Tiempo de Buenos Aires - Argentina

siguiente tema nuevo | tema anterior

Opciones Administrativas: Cerrar tema | Archivar/Mover | Eliminar tema
Enviar un nuevo mensaje  Contestar
Ir a:

Contáctenos | ZOE Tecno-Campo

Realizado por www.infopop.com © 2000
Ultimate Bulletin Board 5.45c